Mortal Kombat: Memórias da Era de Ouro

Atualmente, Mortal Kombat 11 tem sido o centro das atenções no mundo gamer. E claro, isso é justificável, já que estamos falando de um novo título de uma das franquias mais lendárias da história dos games. Hoje em dia, os gráficos do game são impressionantes, inclusive chegamos a ter o personagem Shang Tsung como uma réplica incrível do ator Cary-Hiroyuki Tagawa (que interpretou o personagem no filme Mortal Kombat, de 1995).

No entanto, apesar de os gráficos estarem em nível extremamente alto nos dias de hoje, nem sempre foi assim e, sinceramente, a época de ouro da franquia foi entre os anos de 1992 e 1996, quando tivemos os três primeiros jogos que revolucionaram o gênero dos jogos de luta.

Sendo assim, hoje eu decidi promover uma pequena retrospectiva dos tempos em que quebrávamos a cabeça para liberar personagens secretos, fazer fatalities complicados, superar os personagens apelões, etc. Hoje, você e eu iremos relembrar uma história contada em 2D, nos arcades e nos principais consoles de mesa da época. Então, prepare-se para muito sangue e lágrimas de saudades… Fight!

O décimo torneio, o primeiro Mortal Kombat

A lendária história da franquia Mortal Kombat teve início no ano de 1989, quando Ed Boon e John Tobias resolveram criar um jogo de luta. Muitos não sabem, mas a ideia inicial era contar com o ator Jean-Claude Van Damme. Entretanto, o plano inicial teve que ser mudado e aí o projeto foi alterado para seguir um caminho com temas de fantasia e ciência.

Na época, a violência gratuita de Mortal Kombat era um verdadeiro tabu. Aliás, muitos dizem que essa característica foi a grande responsável por atrasar o lançamento do jogo. Curiosamente, foi essa mesma “violência gratuita” que fez Mortal Kombat se transformar na lenda que é hoje.

O fato é que o game lançado em 1992 foi revolucionário, trazendo atores reais em versões digitalizadas, golpes sangrentos e os icônicos fatalities. Além disso, a história da franquia começou a ser escrita com esse game e, no futuro, ela acabaria se tornando bem complexa, fazendo Mortal Kombat se destacar por esse aspecto incomum nos jogos de luta.

De acordo com as regras da história, o reino da Terra e o Outworld apostavam seus destinos em torneios de luta e o primeiro, dos dois lados, que alcançasse dez vitórias seria o vencedor definitivo, escravizando o lado perdedor. Foi nesse contexto que conhecemos, Liu Kang, Johnny Cage, Sonya Blade, Kano, Raiden, Sub-Zero, Scorpion, Goro, Shang Tsung e Reptile. Foi assim que tudo começou.

Mortal Kombat II: a revanche do décimo torneio

Após Liu Kang ter vencido o décimo torneio, Shang Tsung convenceu Shao Kahn a mudar as regras. Assim, ele propôs um “torneio revanche”, quebrando a regra dos dez torneios e apostando o destino dos reinos em apenas uma competição. Todavia, as lutas aconteceriam no Outworld e, na verdade, elas seriam uma distração para que o imperador Kahn pudesse invadir a Terra.

Esse foi o contexto que deu vida a Mortal Kombat II, lançado em 1993. Felizmente, de modo geral, Mortal Kombat II manteve toda a fórmula de sucesso criada por seu antecessor e apenas focou em trazer melhorias para os sistemas. Quem não se lembra de dizer que os gráficos estavam incríveis? Com mais personagens e muitas melhorias no visual, o game ficou ainda mais impressionante. E os fatalities, claro, muito mais sangrentos.

Para alegria dos jogadores da época, o game teve um número maior de personagens e a introdução de guerreiros secretos que só eram liberados com alguns “macetes”, como apertar “baixo+start” no momento em que o Dan Forden aparecesse na tela dizendo “Toasty”, na fase “The Portal”. Isso transportaria o jogador para a fase “Goro’s Lair” e o colocaria em uma luta contra o personagem secreto Smoke.

Resumindo, Mortal Kombat II tratou de melhorar o game original de muitas formas, aumentando ainda mais o apelo da franquia. Porém, o ponto alto da série no mundo 2D ainda estava para chegar…

Mortal Kombat 3: o ápice!

Em 1995, a franquia Mortal Kombat já havia atingido o sucesso mundial e uma sequência para o aclamado Mortal Kombat II já estava sendo aguardada. Foi quando Mortal Kombat 3, apresentando personagens novos e muitas melhorias, surgiu. Melhor ainda, o game ainda recebeu versões melhoradas, sendo Ultimate Mortal Kombat 3 e Mortal Kombat 3 Trilogy. Essas atualizações foram lançadas em 1996 e deixaram o jogo completo.

A história do game continuava no ponto em que Mortal Kombat II havia parado, com Shao Kahn invadindo a Terra. Nesse caso, já não havia mais um torneio propriamente dito, o que tínhamos era uma sequência de combates na qual cada lutador poderia decidir qual lado iria defender.

Mortal Kombat 3 contou com um número de personagens que, para a época, era absurdo. Novamente, tínhamos personagens secretos e chefes que só podiam ser utilizados através de códigos. Como novidades, os “animalities” surgiram como uma nova modalidade de golpe finalizador na qual os personagens se transformavam em animais e devoravam seus adversários.

Em síntese, Mortal Kombat 3 Trilogy acabou sendo a versão definitiva dos três primeiros jogos da franquia. Reunindo todos os personagens conhecidos até então e apresentando todas as melhorias possíveis para a tecnologia da época, o game fechou uma era que muitos ainda recordam com grande emoção.

O impacto de Mortal Kombat

Agora que já refrescamos as nossas memórias relacionadas aos três primeiros games da franquia Mortal Kombat, podemos falar um pouco sobre essa chamada “época de ouro”. Afinal, é sempre bom lembrarmos dos tempos em que íamos até os fliperamas para poder aproveitar esses jogos incríveis.

As versões para os consoles mais populares da época (SNES e Mega Drive) acabaram ajudando a deixar o game ainda mais conhecido. O impacto de Mortal Kombat foi tão grande que um filme, Mortal Kombat, foi lançado em 1995 e fez grande sucesso. Depois, a sequência, Mortal Kombat: Annihilation (1997) foi um verdadeiro fracasso, o que nos permite dizer que realmente o período entre 1992 e 1996 foi algo mágico para a franquia.

Não à toa, muitos ainda se lembram dessa época e a citam como um dos pontos altos da história dos games de luta. E sim, Mortal Kombat 11 pode ser incrível de inúmeras formas, mas os três primeiros capítulos da história de Mortal Kombat foram inesquecíveis. Prova disso é que a linha de tempo na história do game foi reiniciada em Mortal Kombat 9.

Para encerrar, espero realmente que este post tenha lhe ajudado a reviver as memórias de uma época marcante na história de muitos gamers. Sem dúvidas, os combates sangrentos de Mortal Kombat deixaram um legado inesquecível. E, por favor, não deixe de compartilhar e comentar sobre as suas lembranças. Tenho certeza que você tem algumas boas histórias para contar… Até mais!

Yohan Bravo