Epic Store: 15 Grandes Jogos Gratuitos Dados pela Loja!

Epic Store: 15 Grandes Jogos Gratuitos Dados pela Loja!

“Epic Store, mal te conheço e já te considero pacas”… Bem, foi isso o que eu pensei em dezembro de 2018, quando a Epic Games anunciou sua loja. Além de prometer grandes games e uma divisão mais justa dos lucros (junto aos desenvolvedores), a loja ainda resolveu firmar o compromisso de dar jogos gratuitos para os players, a cada quinze dias.

Porém, ao longo do ano de 2019, a Epic Store resolveu quebrar sua promessa inicial. Felizmente, a promessa foi quebrada de uma forma positiva, já que os jogos gratuitos passaram a ser oferecidos em uma escala semanal. Em algumas ocasiões, como na bela promoção de fim de ano, um “caminhão de jogos” foi oferecido em um curto espaço de tempo.

Com isso, claro, o “pacas” da minha consideração aumentou ainda mais. Assim, como forma de agradecimento à Epic Store (por me dar uma bela biblioteca de jogos), eu resolvi criar este post. Isso mesmo, criei uma lista com 15 belos jogos gratuitos que a loja nos deu em 2019. Vamos dar uma olhada nos presentes?

A Promessa da Epic Store…

Conforme eu destaquei, quando foi lançada, no dia 06 de dezembro de 2018, a Epic Store prometeu dar aos players um jogo gratuito a cada quinze dias. E a promessa foi cumprida à risca… por um tempo.

Daí, em um dia qualquer (e sem prévio aviso), a Epic resolveu mudar as regras. Sua loja passou a oferecer um jogo gratuito por semana. Em certas ocasiões, as semanas foram marcadas por duplas de jogos. Ademais, ainda houve uma inesquecível semana na qual seis jogos do Batman foram dados aos players.

Por conta disso, muitos players (e eu) acabaram montando uma enorme biblioteca de títulos para PC, sem ter que gastar um mísero centavo. Aliás, o ápice da loja foi o fim do ano de 2019, quando tivemos a oferta de doze jogos gratuitos em doze dias. Incrível, não acha?

Portanto, este post servirá como uma mostra de que os jogos oferecidos pela Epic Store foram excelentes e que a promessa foi cumprida de forma requintada. Se você não pegou os seus jogos gratuitos em 2019, sugiro que crie a sua conta na loja da Epic o quanto antes, pois 2020 já começou com tudo por lá… Enfim, vamos parar de enrolação… eis a lista…

Transistor

Transistor foi o primeiro jogo gratuito da Epic Store que eu joguei. O jogo, lançado em 2014, me chamou atenção por ser um projeto dos mesmos desenvolvedores do incrível Bastion (Supergiant Games).

E sim, assim como Bastion, o jogo possui um esquema narrativo muito singular, que acaba envolvendo os players de uma forma incrível. Além do visual impecável, o gameplay é dotado de mecânicas muito inteligentes e os combates são extremamente estratégicos.

Em suma, por apresentar uma história incrível e uma trilha sonora arrebatadora, Transistor foi o game que me fez olhar para os presentes da Epic Store com maior atenção. Após zerar o jogo, passei a verificar a loja da Epic todos os dias, em busca de outras pérolas como essa produção da Supergiant.

Last Day of June

“Você já chorou com um game?”… Esse é trecho inicial de um artigo que escrevi aqui na GamesMAX quando a Epic Store deu o game Last Day of June como presente… e esse trecho diz muito sobre o jogo.

Lançado em 2017, Last Day of June é um jogo de aventura e puzzles, que possui um estilo artístico incrível e uma história capaz de evocar muitas emoções. Sinceramente, esse foi um dos jogos mais incríveis que eu já joguei. E agradeço à Epic Store por me dar essa oportunidade (de graça).

Curiosamente, só baixei o game, pois descobri que a trilha sonora havia sido produzida pelo genial Steven Wilson. Embora as músicas do grande músico sejam um destaque, Last Day of June é um verdadeiro tesouro, em todos os aspectos.

Enter the Gungeon

Apesar de ter oferecido aos players alguns jogos de grandes estúdios, a Epic Store focou muito nas produções do mundo indie. E quando falamos em mundo indie, os jogos publicados pela Devolver Digital estão sempre no páreo. Obviamente, esse é o caso do alucinante Enter the Gungeon.

Mesmo com uma estrutura simples e com seus gráficos em estilo pixel art, Enter the Gungeon (de 2016) é um game de respeito. Classificado como um jogo do tipo Bullet Hell, o game oferece tiroteios eletrizantes, dentro de masmorras típicas de jogos de RPG.

Por apresentar elementos de jogos do tipo roguelike, o jogo chama atenção por seu alto nível de dificuldade. Além disso, a aventura é excelente para quem curte jogos para dois jogadores que seguem à risca a ideia de gameplay cooperativo. Que jogo divertido!

Limbo

Se há uma coisa que eu gosto nos jogos indie é a forma como a criatividade supera os grandes orçamentos e recursos visuais. Quando joguei o game Limbo, fiquei impressionando com sua originalidade.

O jogo foi lançado em 2010 e pode ser classificado como uma espécie de jogo de aventura e plataforma no qual os puzzles são um grande destaque. Mesmo seguindo uma fórmula conhecida, o jogo encanta por seu visual e sua história.

A aventura se passa sob uma perspectiva 2D e o player, controlando um garotinho sem nome, embarca em uma jornada até o Limbo. O objetivo? O garoto quer saber qual foi o destino da irmã. O final do game é bastante vago, o que fez muitos players (inclusive eu) ficarem sonhando com uma continuação…Será que um dia essa sequência vem?

Alan Wake

Quando todos acharam que a Epic Store só presentearia os players com jogos indie (o que já estava bom), a Epic resolveu surpreender. Em uma semana qualquer, os players entraram na loja e viram a oferta de uma dupla de jogos que dispensa comentários: Alan Wake e For Honor (que apresentarei na sequência).

O game da Remedy Entertainment, que foi lançado em 2010, foi mais um presente de respeito. Alan Wake é aquele tipo de jogo que consegue nos deixar presos do início ao fim. Sua narrativa é impecável e seu visual também.

De modo geral, Alan Wake pode ser classificado como um jogo de ação com elementos dignos de filmes de drama e suspense. Sem dúvidas, experimentar o game é um obrigatoriedade para um player de respeito. Não deixe de conferir.

For Honor

Como eu havia prometido, aqui está: For Honor. O game da Ubisoft, que foi lançado em 2017, foi um presente dado pela Epic Store juntamente com o excelente Alan Wake. Na verdade, se bem me recordo, foi após a semana na qual esses dois jogos foram entregues, que a Epic passou a dar um jogo por semana.

For Honor é um game de ação com combates bastante táticos. Sua história se desenvolve em um período medieval e os players podem escolher entre guerreiros mais clássicos, como cavaleiros, samurais e vikings.

Além do visual, que é impressionante, For Honor encanta por oferecer um sistema de combate classificado pelos desenvolvedores como a “Arte da Batalha”. Sim, tudo é muito realista e desafiador. Um game deveras empolgante (estou treinando meu “cavaleirês”)!

Moonlighter

Voltando ao mundo dos jogos indie, Moonlighter (de 2018) foi mais uma bela surpresa da Epic. O game remete a clássicos RPGs da era do SNES, como The Legend of Zelda e Terranigma, e possui um estilo artístico muito bonito.

No ano em que foi lançado, Moonlighter “abocanhou” uma boa série de prêmios e foi considerado um dos melhores RPGs dos últimos tempos. O que não é exagero algum. Afinal, o jogo oferece uma jornada épica e cheia de emoção.

Em Moonlighter, os players assumem o papel de um mercador aventureiro. Durante o dia, é necessário cuidar de uma loja. À noite, explorar masmorras e encontrar tesouros é o objetivo. E o dinamismo dessa “dualidade” é o que faz o jogo ser tão envolvente. Vale a pena conferir!

Batman: Arkham Collection

Chegando ao meio desta lista, resolvi relembrar do “ponto fora da curva” na promessa da Epic Store. Assim como eu destaquei no início, houve um dia em que a Epic resolveu dar seis jogos do Batman para os players. Dentre esse jogos, a trilogia Arkham foi o destaque.

A Batman: Arkham Collection inclui os títulos: Batman: Arkham Asylum (de 2009), Batman: Arkham City (de 2011) e Batman: Arkham Knight (de 2015). E acredito que não seja necessário falar sobre o quanto esses jogos são bons, não é mesmo?

Essa trilogia foi aclamada em todo o planeta e muitas das suas mecânicas se tornaram um padrão replicado em muitos jogos que vieram na sequência. Esse presente da Epic foi realmente um dos melhores de 2019. Até hoje eu me lembro do grande Wellington “Hokage”, aqui da GamesMAX, ficando emocionado com a chance de poder jogar toda a trilogia.

Shadow Tactics: Blades of the Shogun

Entrando na segunda metade desta lista, temos o excelente Shadow Tactics. O game foi um dos destaques da promoção de fim de ano da Epic Store. Confesso que eu já havia experimentado a aventura (via Xbox Game Pass), mas é inegável que o presente foi ótimo.

Shadow Tactics, lançado em 2016, é um game de estratégia em tempo real que leva os players diretamente para o período Edo, no Japão Feudal. Dando enorme ênfase a táticas furtivas, o jogo apresenta um gameplay muito inteligente e desafiador.

Esse é aquele tipo de jogo no qual os players devem conhecer muito bem o time à disposição. Para poder avançar, combinar as habilidades dos personagens é essencial. Em síntese, esse é o tipo de jogo que fará o seu “general interno” despertar (com sangue nos olhos).

The Messenger

Falando no “Mundo Oriental”, posso citar também o desafiador The Messenger. Lançado em 2018, The Messenger conseguiu se destacar em um ano no qual os jogos indie conseguiram elevar o nível de uma forma assustadora.

O game segue uma linha bem retrô, remetendo (por seu visual) a jogos da era dos oito e dezesseis bits. No centro da trama, temos um ninja cuja missão é levar uma mensagem extremamente importante até o seu destino.

O jogo foi inspirado nos primeiros títulos da franquia Ninja Gaiden. Ao longo da aventura, os elementos típicos de jogos de plataforma e jogos do gênero Metroidvania, além dos chefões desafiadores, fazem tudo valer a pena. Certamente, esse é um dos melhores jogos indie dos últimos tempos.

Conarium

Ao longo do ano de 2019, a Epic Store também garantiu muitos sustos. Pois é! A loja da Epic ofereceu uma boa quantidade de jogos de terror. E muitos, como Conarium, sequer foram presenteados durante a época do Halloween.

Conarium, lançado em 2017, é aquele tipo de jogo de terror que não faz alarde. A aventura vai desgastando os nervos com requintes de crueldade. Tudo é muito sútil e, quando o player se dá conta, a pressão psicológica já está pesada.

A aventura foi inspirada na obra “Nas Montanhas da Loucura”, do lendário H. P. Lovercraft. Isto é, não é preciso imaginar muito para saber que se trata de um jogo de terror de primeira grandeza. Detalhe: tudo acontece em uma perspectiva de primeira pessoa. Então, espere por algo bem envolvente… e aterrorizante.

Bad North

Lançado em 2018, Bad North foi mais um dos destaques entre os grandes jogos indie que foram lançados no referido ano. O jogo oferece uma experiência de estratégia em tempo real extremamente singular, na qual as invasões vikings são exploradas de um modo intenso.

Em linhas gerais, o jogo coloca os players no papel de defensores de curiosas ilhas. Fazendo uso dos recursos à disposição, é necessário proteger os cidadãos das ilhas e repelir os vikings. Logicamente, por se tratar do “mundo viking”, banhos de sangue são comuns no jogo.

Apesar de o gameplay ser o grande destaque do game, Bad North ainda apresenta um visual muito bonito. Suas construções são simples, mas o estilo artístico é encantador. Belo game!

Celeste

Celeste pode ser considerado o grande vencedor entre os jogos indie lançados em 2018. Além de ter faturado alguns prêmios na cerimônia do The Game Awards, o jogo ainda foi indicado ao GOTY (que ficou com God of War).

E o que surpreende é que Celeste é um jogo relativamente simples. A aventura se passa sob uma perspectiva 2D e as mecânicas são típicas dos jogos de aventura e plataforma. No entanto, a aventura da garota Madeline tem certa “mágica”.

Isso mesmo! O jogo oferece uma jornada desafiadora e envolvente, que é levada a cabo em cenários belíssimos (o level design do jogo é absurdo!). Celeste é uma das provas de que o mundo indie é capaz de “enfrentar a indústria” apenas com a criatividade (e o carinho que é empregado nas produções).

Metro 2033

Quando a Epic Store ofereceu o game Metro 2033, eu fiquei empolgado. Confesso que nunca havia experimentado um jogo da franquia, mesmo com o primeiro título tendo sido lançado em 2010. E olha que muita gente fez altas recomendações sobre o jogo.

De qualquer forma, foi graças à Epic que resolvi embarcar na jornada que se inicia em Metro 2033. O jogo é baseado no livro Metro 2033, do autor Dmitri Glukhovkiy e oferece aos players uma experiência diferenciada, mesmo seguindo os padrões de jogos de FPS.

O game realmente nos faz ter uma ideia de toda a tensão de um mundo pós-apocalíptico. O mundo foi devastado por ataques nucleares e é nos túneis de um metrô que o game se passa. Metro 2033 é um prato cheio para quem curte jogos de sobrevivência e belas tramas.

This War of Mine

Para fechar a lista, This War of Mine, de 2014, é o meu eleito. O game não é uma superprodução, mas, com certeza, foi um dos maiores presentes que (na minha opinião) a Epic Store deu aos players.

Inspirado em eventos da Guerra da Bósnia, o jogo se difere de outros games de guerra por colocar o player no papel dos civis. Sim, a aventura nos dá uma ideia clara de como os conflitos armados destroem a vida das pessoas.

Com toda a sinceridade, o que me deixou impressionado com o game foi o fato de ele realmente incitar muitas reflexões. Em certos momentos, você tem que tomar decisões complicadas, que deixam um peso enorme em sua consciência. This War of Mine é uma experiência imperdível!

Epic Store: continue assim!

Chegamos ao fim de mais um post e, como pôde notar, os quinze games citados nos dão uma ideia clara da qualidade dos jogos gratuitos oferecidos pela Epic Store ao longo do ano de 2019.

2020 mal começou e já temos os dois primeiros jogos da franquia Darksiders e o excelente Steep como presentes. Isso nos permite concluir que nossa biblioteca de títulos tem tudo para ficar ainda melhor.

Para encerrar eu pergunto: se você pudesse pedir um jogo gratuito para a Epic Store, qual seria? Compartilhe o post e deixe a sua resposta nos comentários, beleza? Até mais…

Yohan Bravo